segunda-feira, 13 de maio de 2019

VI Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba - 60 anos da Revolução Cubana

Cearenses reafirmam apoio à Revolução Cubana em Convenção Estadual
Na noite da última quinta-feira (30) na sede da ADUFC, em Fortaleza (CE), foi realizada a VI Convenção Estadual de solidariedade a Cuba. O evento foi organizado pela Casa da Amizade Brasil-Cuba do Ceará em ação coletiva com diversas entidades da sociedade civil organizada que se somaram a luta em defesa da Revolução Cubana e suas conquistas nos últimos 60 anos.
Confira tudo no link acima.

O evento contou no início com apresentações artísticas de "Rebeka" e do cantor e poeta "Cumpade Barbosa", fazendo uma miscelânea rítmica entre a cultura latina e a poesia popular em Patativa do Assaré.

Na Conferência principal da noite o juiz aposentado Dr. Inocêncio Uchôa, do Coletivo Juristas pela Democracia, fez um apanhado da história de Cuba, seus antecedentes e os desdobramentos que conduziram ao processo revolucionário de 1959, além de discutir momentos importantes, como a Crise dos Mísseis e a parceria comercial entre a Ilha e a União Soviética no seculo XX.

Gláucia Lima, Vice Presidente da Casa da Amizade, explanou acerca do papel das mulheres na Revolução e destacou figuras históricas como Vilma Spin,
Haydée Santamaría  e Célia Sanchez. Participaram ainda da mesa do evento o Presidente da Ass. Cultural José Martí (ES), Marlúzio Dantas e o Professor José Carlos Vasconcelos.
Cubanas - Mujeres en Revolución

A VI Convenção ainda foi palco de homenagens a figuras importantes para a defesa da democracia no Brasil e de solidariedade a Cuba. Foram homenageadas a Presidente de honra da Casa da Amizade, Cecília Cruz e a Diretora da Casa, Maria Oliveira. Ainda receberam homenagens o ex Secretário e dirigente político José Nunes Passos e o jornalista Messias Pontes (in memoriam), ambos sócios-fundadores da Casa.
Homenagens na VI Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba
- 60 anos da Revolução Cubana -

Cecilia Cruz – Sócia-fundadora, Presidenta de Honra da Casa de Amizade Brasil/Cuba-CE, é enfermeira, bancária aposentada, foi militante do PCB, participou da resistência à ditadura militar brasileira.

Maria de Oliveira Alves – É, atualmente, na Casa de Amizade Brasil/Cuba-CE, a Primeira Secretária. Profissão: Auxiliar de Enfermagem; no movimento sindical: atuando no SINDSAÚDE de 1990 a 2000, como Presidente:  entre 1993 a 1999, 4 mandatos; filiada ao PCdoB, atualmente atua no Comitê Barra Oeste Grupo de Mulheres.
 
Messias Pontes - Jornalista, trabalhou nos maiores jornais do
Estado, Messias atuava no programa Espaço Aberto (rádio Cidade AM 860), integrou a Comissão de Ética do Sindicato dos Jornalistas no Ceará, foi presidente do Comitê de Imprensa da Câmara Municipal de Fortaleza e do Comitê de Imprensa da Assembleia Legislativa do Ceará, sócio fundador era diretor de Comunicação da Associação de Amizade Brasil-Cuba do Ceará. Comunista histórico, Messias foi um dos responsáveis pela reorganização do
PCdoB no Ceará após a Ditadura Militar. Anistiado político e membro do Comitê Estadual do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), presidia a Comissão da Verdade, Memória e Justiça dos Jornalistas Cearenses, que resgata a história de profissionais perseguidos pela ditadura no Estado, escrevia semanalmente um artigo para o jornal O Estado e era colunista nacional do Portal Vermelho.
Um de seus maiores legados foi sem dúvida o programa Espaço Aberto, que começou na TVC ainda na década de noventa e depois passou para o rádio. Começou na rádio Cidade AM, foi para a rádio Assunção, seguiu para a rádio Metropolitana, foi para a rádio Pitaguary, voltou para a rádio Assunção e novamente para a rádio Cidade AM, onde permaneceu até junho de 2017. 
José Nunes Passos - foi presidente do Sindicato dos comerciários de Fortaleza, presidente da Federação dos Trabalhadores no Comercio e Serviço do Estado do Ceará, Delegado do Trabalho no Governo do presidente Lula e secretário de governo na Administração da prefeita Luizianne Lins (PT). Foi também dirigente do PT .
Passos foi a Cuba convidado pelo Ibiapino, foi sempre um incentivador e amigo da Casa da Amizade Brasil Cuba do Estado do Ceará.
Uma de suas grandes virtudes foi seu espirito de solidariedade!


#Convenção #Revolução #BrasilCuba #Ceará
  

Convenção acontecerá em 30 de maio de 2019 na ADUFCE – Associação de Docentes da Universidade Federal do Ceará, a partir das 18h30, localizada na Av. da Universidade, nº 2346 – Benfica – Fortaleza/CE. 


A VI Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba é um evento bianual organizado pela Casa da Amizade Brasil-Cuba do Ceará (Associação Cultural José Martí) e conta com o apoio do Consulado Cubano no Brasil para o Nordeste; CEBRAPAZ/CE; FMFi – Fórum de Mulheres no Fisco; e, Instituto Tonny Ítalo – InsTI, Comitê Cearense de Solidariedade à Venezuela, além de vários outros grupos e movimentos sociais. 

 Programação:

VI Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba

                60 anos da Revolução Cubana 

19h – Apresentação das Artistas: Rebeka (poesia)
         
Cumpadre Barbosa (músical)

19h25 – Conferência com Dr. Inocêncio Uchôa: 60 anos de Resistência da Revolução Cubana

19h45 – Conversa com a escritora Gláucia Lima: A Mulher na Revolução Cubana

20h05 – Preleção com Prof. José Carlos Vasconcelos: Bloqueio a Cuba na Atualidade

20h20 – Palestra com Presidente da ACJM/ES Marlúzio Dantas: Revolução Cubana pela Paz e Solidariedade

20h35 – Intervenções da Plenária

21h05 – Homenagens Especiais: Cecília Cruz e Maria Oliveira / José Nunes Passos e Messias Pontes - in memoriam

21h20 - Coquetel de Encerramento

 

Participe conosco do Evento!


domingo, 13 de janeiro de 2019

REVOLUÇÃO CUBANA - 60 anos de Luta e Resistência!


“La Lucha por la vida, la Voz de la ilusión, la Luz de la utopia, Ésto es La Revolución”
¡Patria o Muerte, Venceremos!


A REVOLUÇÃO CUBANA COMPLETA 60 ANOS
_Frei Betto*

      1º de janeiro de 2019, 60 anos da Revolução Cubana. Quem diria? Para a soberba dos serviços de inteligência dos EUA a ousadia dos barbudos de Sierra Maestra, ao livrar Cuba da esfera de domínio de Tio Sam, era um “mau exemplo” a ser o quanto antes apagado das páginas da história. A CIA mobilizou e treinou milhares de mercenários e Kennedy mandou-os invadir Cuba (1961). Foram vergonhosamente derrotados por um povo em armas. E, de quebra, a hostilidade da Casa Branca levou Cuba a se alinhar à União Soviética. O tiro saiu pela culatra. Mexer com Cuba passou a significar aquecer a Guerra Fria, como o demonstrou a crise dos mísseis (1962).

      Tio Sam não botou as barbas de molho. Transformou cubanos exilados em Miami em terroristas que         derrubaram aviões, explodiram bombas, promoveram sabotagens. E investiu uma fortuna para alcançar o mais espetacular objetivo terrorista: eliminar Fidel. Foram mais de 600 atentados. Todos fracassados. Fidel faleceu na cama, cercado pela família, em 25 de novembro de 2016, pouco antes de a Revolução completar 58 anos. Havia sobrevivido a 10 ocupantes da Casa Branca que autorizaram operações terroristas contra Cuba: Eisenhower, Kennedy, Johnson, Nixon, Ford, Carter, Reagan, Bush pai, Clinton e Bush filho.

      Fracassada a invasão da Baía dos Porcos, impôs-se o bloqueio a Cuba (1961). Medida criticada por três papas em visita a Havana: João Paulo II (1998), Bento XVI (2012) e Francisco (2015). Porém, a Casa Branca não escuta vozes sensatas. Prefere se isolar, ao lado de Israel, a cada ano em que a Assembleia da ONU vota o tema do bloqueio. Pela 27ª vez, em 2018, 189 países se manifestaram contra o bloqueio a Cuba.

      Com a queda do Muro de Berlim e o desaparecimento da União Soviética (1989), os profetas da desgraça prenunciaram o fim do socialismo cubano. Não falharia a teoria do dominó... Equivocaram-se. Cuba resistiu, suportou o Período Especial (1990-1995) e se adaptou aos novos tempos de globalização.

      Muitos se perguntam: por que os EUA não invadiram Cuba com tropas convencionais (já que os mercenários foram derrotados), como fez na Somália (1993), Granada (1983), Afeganistão (2001) e Iraque (2003), Líbia (2011), Síria (2017), Níger (2017), e Iêmen (2018)? A resposta é simples: uma potência bélica é capaz de ocupar um país e derrubar-lhe o governo. Mas não derrotar um povo. Esta lição os estadunidenses aprenderam amargamente no Vietnã, onde foram escorraçados por um povo camponês (1955-1975). Atacar Cuba significaria enfrentar uma guerra popular. Após a humilhação sofrida no Sudeste Asiático, a Casa Branca prefere não correr o risco.

      Por que Cuba incomoda a tantos que associam, indevidamente, capitalismo e democracia? Porque Cuba convence as pessoas intelectualmente honestas, que não se deixam levar pela propaganda anticomunista fundada em preconceitos, e não em fatos, que, apesar de toda a campanha mundial contra a Revolução, na ilha ninguém morre de fome, anda descalço, é analfabeto com mais de 6 anos de idade, precisa ter dinheiro para ingressar na escola ou cuidar da saúde, seja uma gripe ou uma complexa cirurgia do coração ou do cérebro. No IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) da ONU, que abrange 189 países, Cuba ocupa melhor lugar (68º) que a maioria dos países da América Latina, incluído o Brasil (79º lugar).
      Enquanto o capitalismo enfatiza, como valor, a competitividade, a Revolução incute no povo cubano a solidariedade. Graças a isso Cuba despachou tropas, nas décadas de 1960 e 1970, para ajudar nações africanas a se libertarem do colonialismo europeu e conquistarem sua independência. Raúl Castro foi o único chefe de Estado estrangeiro a ter direito a discursar nos funerais de Mandela, porque o governo da         África do Sul reconheceu a importância da solidariedade cubana para o fim do apartheid.

      Graças à solidariedade, professores e médicos cubanos se espalham por mais de 100 países, trabalhando nas áreas mais pobres e remotas. E graças aos princípios éticos da Revolução, em Cuba não se vê famílias debaixo de pontes, crianças de rua, mendigos estirados pelas calçadas, cracolândia, máfias de drogas. Os delatores da Odebrecht denunciaram todos os agentes públicos corrompidos nos países da América Latina nos quais a empresa atuou. Menos Cuba, onde ela construiu o porto de Mariel.         Algum delator quis defender Cuba? Óbvio que não. Apenas nenhum cubano se deixou corromper.

      O povo cubano chegou ao paraíso? Longe disso. Cuba é uma nação pobre, porém decente. Apesar do bloqueio e de todos os problemas que ele acarreta, seu povo é feliz. Por que então muitos saem de Cuba? Ora, muitos saem de qualquer país que enfrenta dificuldades. Saem da Espanha, da Grécia, da Turquia, do Brasil, da Venezuela e da Argentina. Mas quem sai? De Cuba, aqueles que, contaminados pela propaganda do consumismo capitalista, acreditam que o Eldorado fica acima do Rio Grande. Os mesmos que se regozijam com a emigração de uns poucos cubanos jamais se indagam por que nunca houve em Cuba uma manifestação popular contrária ao governo, como acaba de ocorrer na França (jalecos amarelos) e também recentemente na Tunísia (2011), Egito (2011), Turquia (2016), e anteriormente nos EUA (Seattle, 1999).

      Haveria um Cuba soldados ou guardas em cada esquina? João Paulo II declarou que lhe chamou a atenção não ver veículos militares nas ruas ao visitar Havana, como observou em tantos outros países. A maior arma da resistência cubana é a consciência da população.

      A Revolução Cubana comemora 60 anos! É muito pouco para um país triplamente ilhado: pela geografia, pelo bloqueio e por ser o único da história do Ocidente a adotar o socialismo. E quando os cubanos comemoram, não olham apenas para o passado de tantas gloriosas conquistas entre muitos desafios e dificuldades. Inspirados por Martí, Che, Fidel e Raúl, os cubanos sabem que a Revolução ainda é um projeto de futuro. Não só para a Cuba, mas para toda a humanidade, até que as diferenças (idioma, cultura, sexo, religião, cor da pele etc.) não sejam mais motivo de divergências, e a desigualdade social figure nos arquivos de pesquisas apenas como uma abominável referência histórica, como é hoje a escravatura.

      Longa vida à Revolução Cubana!

_Frei Betto* é escritor, autor de Paraíso Perdido – Viagens pelo Mundo Socialista (Editora Rocco), entre outros livros.

🙋🏽‍♀🇨🇺🙋🏽‍♂ Aqui ninguém se rende!

Golias sem sossego60 anos da Revolução Cubana

A Bíblia é repleta de histórias em que o impossível, em verbo, se faz carne para vencer o que se costuma dar por inevitável. É assim no Êxodo, na luta contra as forças do faraó, que põe fim à escravidão do povo hebreu no Egito; é assim quando o moleque franzino Davi derruba o poderoso gigante Golias; quando a jovem sem terra é escolhida como mãe do filho de Deus; quando a ressurreição retira dos opressores a última palavra, demonstrando que a maior das repressões é impotente ante o anseio de um povo por sua libertação. Para a história, o “impossível” é logo ali.

A ditadura derrubada

Localizada a 120 quilômetros da costa sudeste dos Estados Unidos, Cuba é logo ali. Diz-se que à noite dá até para enxergar as luzes de Miami.
Na década de 1950, a ilha se encontrava submetida a uma violenta ditadura. Os ricos dos Estados Unidos e seus aliados, entre eles os grandes proprietários de terra, haviam promovido um golpe de Estado e colocado no poder um cara chamado Fulgêncio Batista. Batista fazia o que Herodes fez no tempo de Jesus: massacrava o povo em nome dos interesses do império. A classe trabalhadora não tinha direito nem ao pão nem à greve. No campo, quem suava para fazer a terra produtiva, não possuía terra para plantar. Cuba não pertencia aos cubanos.
Foi então que, em 26 de julho de 1953, um grupo de militantes, liderado por um jovem advogado chamado Fidel Castro, rebela-se e tenta tomar de assalto o Quartel Moncada, uma das principais bases militares do regime. Perdem a batalha. Alguns são torturados, mortos, olhos arrancados. Fidel é preso.
Nesse instante, a Igreja Católica, grande proprietária de terras e detentora do monopólio escolar, divide-se. O cardeal de Cuba Manuel Arteaga e Betancur havia celebrado a instauração da ditadura, mas alguns bispos, como Alberto Evelio Díaz, auxiliar de Havana, posicionam-se contrários ao autoritarismo e, inicialmente, apoiam os rebeldes.
Graças à pressão popular, Fidel, marxista e com reconhecida formação cristã, é solto em maio de 1955 e exilado no México, onde organiza o Movimento Revolucionário 26 de Julho. Lá conhece um jovem médico argentino, Ernesto Guevara, que se junta ao grupo. Em final de novembro de 1956, o pequeno barco Granma, com capacidade para 14 pessoas, parte com 82 combatentes em direção à ilha. A missão revolucionária é retomada.
Mal desembarcam, são metralhados do alto por aviões. Dos oitenta e dois, somente doze chegarão vivos ao dia do triunfo, que acontece em primeiro de janeiro de 1959, em meio a uma massiva festança popular que ganha as ruas. Fugêncio Batista foge, carregando consigo parte da riqueza que roubara do povo cubano.
Com a sensação do dever cumprido, o militante Mustelier fala a Che (apelido dado a Guevara) que pretende sair em visita familiar. O comandante responde incisivamente que não. “Che, mas a revolução já ganhou”; “Não! Ganhamos a guerra. A revolução começa agora”. Nos três dias seguintes, retornam a Cuba oitocentos exilados de vários lugares da América.
Aos 12 revolucionários sobreviventes, somaram-se inúmeros camponeses sem-terra. Aos 12, uniram-se a juventude e milhões de trabalhadores e trabalhadoras da cidade. Aos 12, incorporou-se a memória de incontáveis mártires da libertação. Sem esse encontro, a vitória não teria sido possível.

A ousadia de construir uma nova sociedade

Sem o menor apreço pela soberania de um povo por ele antes dominado, os Estados Unidos engrenam uma sequência incalculável de ataques terroristas. Criam um criminoso bloqueio que impede ou dificulta as transações comerciais com outros países, promovem ataques à bomba em fábricas, incêndios em lavouras e assassinatos. Só contra Fidel se registram mais de seiscentas e vinte tentativas frustradas de tirar sua vida.
A partir de abril de 1961, a Revolução passa a ser declaradamente guiada por ideais socialistas. O aprofundamento das transformações na estrutura social afeta “os interesses patrimoniais do clero e da oligarquia cristã”, que abandonam o país. O estranhamento da parte clerical não combina com a liberdade de culto conquistada com a Revolução. Como lembra Frei Betto, “todas as religiões, inclusive os cultos afro-cubanos – até então proibidos –, passam a ter os mesmos direitos”. E continua: “muito mais grave foi o drama dos leigos que, conflitados pela oposição dos bispos – mas convencidos da obra de justiça realizada pela Revolução –, preferiram optar por esta e, ao fazê-lo, tiveram que deixar de frequentar a Igreja. Muitos, porém, jamais perderam a fé”. Os diálogos entre governo e bispos seriam reabertos dezesseis anos mais tarde.
Como todo movimento popular, as difamações e mentiras vindas dos instrumentos que atuam a serviço do capital bombardeiam nosso imaginário de maneira contínua e programada, o que não isenta a Revolução Cubana de erros e contradições verdadeiras.
Erros nascem todos os dias. Alguns deles, heranças não superadas da sociedade antiga. Vários foram assumidos publicamente e corrigidos, como é o caso do tratamento abusivo contra homossexuais nos primeiros anos, reconhecido por Fidel, a partir do fortalecimento da luta LGBT.
Pouco antes da morte de Fidel, que acontece em novembro de 2016, a Revolução entra em novo período de transição. Raul Castro, velho combatente guerrilheiro, assume a direção, até a eleição de Miguel Díaz-Canel, em abril de 2018, ano em que a Assembleia Nacional aprova novo texto constitucional, onde se reafirma o caráter socialista da Revolução. Em fevereiro agora, o documento passará por referendo popular.
Entre as medidas políticas tomadas pelo governo neste período, há as que utilizam princípios do mercado para dinamizar a economia, prejudicada por mais de cinco décadas de bloqueio ianque. Decisão que alguns consideram deveras arriscada, por receio de se tornar um caminho sem volta.
Não é possível prever até onde vai a resistência do povo cubano num planeta tomado quase que de cabo a rabo pela lógica desumanizante do “só vale o que se tem”. Contudo, a massiva participação popular presente em todo o processo constituinte, mostra que o que está mesmo difícil de voltar é o capitalismo.
O novo presidente, Díaz-Canel, de 58 anos de idade, nasceu e se formou numa Cuba bem diferente daquela da época em que os cassinos e as empresas dos Estados Unidos é que mandavam, quando o país era chamado de “prostíbulo do caribe”.

O ser humano como óbvio

Frei Betto nos fornece um bom retrato da realidade ao afirmar que, para os ricos do mundo, Cuba é um inferno; para a classe média, um purgatório; mas, para a maioria da população, sobrevivendo em meio a tanta miséria, a cidadania cubana é um paraíso invejável.
Não é preciso ir muito longe para se ter uma noção do que diz o dominicano. Basta enxergar a cor negra da pele dos inúmeros médicos e médicas que vieram de lá trabalhar no Brasil, algo tão difícil de se ver em nossa elitização branca excludente. Como diz José Martí, precursor da soberania popular na ilha: “A melhor maneira de dizer é fazer.”
O que faz um pequeno país latino-americano, situado tão perto do maior império de todos os tempos, cercado de água e de agressões terroristas por todos os lados, sendo rota frequente de furacões, ter um dos melhores e mais universal sistema público de saúde do mundo, uma das melhores educações, sem analfabetismo, com índice de mortalidade infantil comparativamente tão baixo? O que faz esse povo ser tão solidário? Em 2010, no terremoto que vitimou centenas de milhares de vidas no Haiti, enquanto os Estados Unidos se preocupavam em enviar soldados, Cuba chegou primeiro com sua delegação de médicos. Por que? O que faz um país relativamente pobre não ter fome nem crianças dormindo nas ruas? Será um milagre? Países da África se libertaram da dominação colonial com o apoio irrestrito e desinteressado de uma Cuba que enfrentava invasões mercenárias contra seu próprio território. Como se preocupar assim com os outros, quando sua própria casa enfrenta problemas tão sérios? Como um povo consegue priorizar a liberdade diante de uma existência tão ameaçada? De onde vem essa fé? Quantas mães empobrecidas, espalhadas pelo mundo, puderam segurar seus filhos nos braços graças às mãos da medicina missionária cubana? Quanta esperança foi parida na América Latina, ensanguentada por golpes de Estado e ditaduras, por efeito desse testemunho de amor?
Em Cuba, a prioridade é o ser humano. Não acredita? Vai lá, ou procura no google. Quando a humanidade precisa ser convencida do óbvio, é sinal que as coisas não andam boas.

No desembarque do Granma, em meio ao barulho ensurdecedor de voos rasantes, bombas e rajadas de metralhadoras; diante de companheiros que tombavam mortos; na luta contra forças armadas imensamente mais poderosas; um grito de rebeldia irrompe o impossível: “Aqui ninguém se rende!” E de lá para cá, o gigante Golias nunca mais teve sossego.

_Por Thales Emmanuel, militante da Organização Popular – OPA.
Originalmente publicado em Informativo Redentorista.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

¡Grandes Mujeres de la Revolución Cubana!

SEM AS MULHERES, NÃO HÁ REVOLUÇÃO!
Celia Sánchez, Vilma Espín, Fe del Valle Ramos, Melba Hernández Rodríguez e Haydée Santamaría 

    "Vilma Espín Guillois semeou um caminho essencial para o empoderamento das mulheres cubanas."
                       
Vilma EspínEterna Presidenta, foi fundadora da Federação de Mulheres Cubanas - FMC
“Dia histórico e promissor”, Fidel Castro sobre a fundação da FMC
Em 23 de agosto de 1960, Fidel Castro preside o ato de constituição da Federação das Mulheres Cubanas, sendo eleita Vilma Espin à frente da organização, naquele dia, profere um discurso destacando o papel da mulher na Revolução, da qual Compartilhamos algumas frases desse discurso emocional (conferir em link abaixo).



Vilma Espín Guillois - Heroína da República de Cuba

Vilma Lucila Espín Guillois – nasceu em 07/04/1930 - Santiago de Cuba, faleceu em Havana em 18/06/2007. Personalidade importante do movimento revolucionário cubano, com o nome de guerra Deborah, foi uma notável combatente clandestina sob o comando de Frank País García, especialmente durante a revolta de 30 de novembro de 1956 em Santiago de Cuba, Mariela, a mulher que subiu à Sierra. Juntou-se ao Exército Rebelde na Sierra Maestra quando sua vida estava em perigo extremo na revolta urbana. Cumpriu função no exercício como Engenheira Química.
Alicia, Mónica e Déborah foram seus nomes na luta clandestina. Mariela, a mulher que escalou à Sierra. Todos esses pseudônimos protegiam a identidade de Vilma Lucila Espín Guillois, a jovem que não hesitou em lutar entre montanhas, na cidade e nas tribunas, porque acreditava em um país melhor, no poder do amor, da família, da justiça e da honestidade. Desde seu falecimento em 2007 sua presença não nos acompanha fisicamente, mas nas fotos, na memória de todos e em cada obra em que vive sua marca, seu sorriso franco, permanecem.
Vilma Espín, a mais bela Revolucionária
Este artigo foi escrito por Celia Hart Santamaría, filha de Haydeé Santamaría e Armando Hart, quando Vilma Espín morreu em 19 de junho de 2007. Nem quem inspirou estas palavras nem quem as escreveu estão fisicamente conosco, mas as mesmas palavras e os fatos que os tornaram possíveis continuam a nos inspirar.
A Mulher na Revolução
Com o triunfo da Revolução, Vilma encabeçou a unificação das organizações femininas para a formação da Federação de Mulheres Cubanas (FMC), em 23 de agosto de 1960. Integrou o Comitê Central do Partido Comunista de Cuba desde sua fundação em 1965. Deputada da Assembleia Nacional do Poder Popular desde a primeira legislatura, presidiu a Comissão Nacional de Prevenção e Atenção Social, a Comissão de Infância, da Juventude e da Igualdade de direitos da Mulher.

A mulher sempre foi protagonista na luta revolucionária. E um dos exemplos mais notáveis foi Vilma Espín.

Bem contada, a história se torna um emocionante relato, cheio de cor e habitada por uma infinidade de vozes e fatos. Há eventos de primeira magnitude, poderosos como a larva que brota de um vulcão. Eles apontam para um ponto de virada de um coração animado por conflitos que surgem em termos diferentes em cada época.
Vilma Espín, figura histórica da revolução cubana, também foi esposa do ex-presidente de Cuba, Raúl Castro.
À frente da Federação de Mulheres Cubanas (FMC), cargo vitalício que ocupava desde 1960, e como membro do Escritório Político e do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, Vilma Espín se tornou uma das mulheres com mais peso político e maior cota de poder da revolução. 
ENTREVISTA INÉDITA COM VILMA ESPÍN GUILLOIS
"...la vida, si me la pides"




Vilma Espín foi guerrilheira do Exército Rebelde na Sierra Maestra. Pouco depois da vitória da revolução, casou-se com Raúl Castro, ministro das Forças Armadas Revolucionárias e segundo homem na hierarquia cubana, com quem teve quatro filhos. Durante anos atuou na função de Primeira-dama em atos públicos, acompanhando o presidente Fidel Castro.

Vilma Espín morreu em Havana, em 18 de junho de 2007, aos 77 anos, vítima de uma longa doença.

A Direção do Partido Comunista e do Estado cubano fizeram uma vigília solene no teatro Karl Marx, em Havana.

Conforme a sua vontade, Vilma Espín teve seu corpo cremado. As suas cinzas foram depositadas no Mausoléu da II Frente Frank País, em Sierra Maestra, berço da revolução. A cerimônia teve honras militares.
Reconhecemos em Vilma, em Celia e em Haydée, paradigmas de valor incontestável, heroínas da Sierra e El Llano. Teríamos que saber muito mais sobre sua formação e a extensa anedota que ilustra sua ação concreta em combate e na fase de construção da nova sociedade. Sob a ditadura de Batista, o chamado do Moncada estava expandindo seu poder de convocação. Depois da queda de Frank País, as mulheres de Santiago não tiveram medo de desafiar a repressão. Nessa e em outras cidades, cumpriram tarefas da mais diversa natureza. Eles levantaram fundos, ofereceram abrigos, moveram armas. Eles enfrentaram perseguição, assédio e tortura. Por estarem na Serra, Fidel conseguiu superar os preconceitos machistas e formar o grupo de lutadores das Marianas.
La mujer en la Revolución
Com o triunfo da Revolução, a mulher cubana conquistou direitos que ainda constituem demandas pendentes em boa parte do mundo. Elas recebem o mesmo salário por trabalho igual. A maternidade goza de ampla proteção. Ascendem a responsabilidades de alto escalão. Portadores de uma tradição, eles continuaram a amadurecer durante todo esse processo. Responsável por novas responsabilidades, assumem uma dupla jornada de trabalho. Em seu trabalho silencioso (mães), elas constituem um dos pilares da sociedade.
"As Lutas de Vilma" - Leia a reflexão de Fidel (link abaixo)
Las luchas de Vilma

"Yo fui una vez" - Silvio Rodríguez 
Canção interpretada por Silvio Rodriguez, para o documentário "Mujeres de la guerrilla". Video clipe de Consuelo Elba, transmitido pela Mesa Redonda da Televisão Cubana. Niurka González na flauta.
Vilma Espín, Celia Sánchez, Delsa Puebla, Haydée Santamaría
Sem as Mulheres, não há Revolução!


Fontes Diversas, entre elas:
- Cuba Debate -
http://www.cubadebate.cu/etiqueta/vilma-espin-guillois/
- Etc.

_Organização e publicação: Gláucia Lima (escritora, editora do Blog: Ser İVoz!) – vice-presidente da Casa de Amizade Brasil/Cuba-CE e Coordenadora do FMFi – Fórum de Mulheres no Fisco.


Celia Sánchez – heroína do povo cubano
Conhecida como Celia Ester de los Desamparados, Célia Sánchez Manduley foi uma das mais próximas colaboradoras de Fidel, foi a primeira mulher a combater no Exército Rebelde e a principal promotora do pelotão feminino “Las Marianas”.
"Nós, rebeldes, recebemos muito crédito para vencer a revolução. Nossos inimigos merecem a maior parte do crédito, por serem covardes e idiotas gananciosos".
Celia Sánchez, Delsa Puebla, Vilma Espín, Haydée Santamaría
Celia Sánchez Ester de los Desamparados Manduley juntou-se ao Movimento 26 de Julho durante a Guerra de Libertação Nacional de Cuba, organizando, por orientação de Frank país, a rede clandestina de camponeses, que foi vital para a sobrevivência da guerrilha, iniciada com o desembarque no sul de Oriente em 02 de dezembro de 1956.


Celia teve papel destacado na criação, em setembro de 1958, do batalhão feminino Mariana Grajales, que operava na zona de La Plata, Sierra Maestra. As mulheres passaram a ocupar posições de combatentes nos confrontos do Exército Rebelde contra as forças militares da tirania de Batista.

Em Sierra Maestra, além de combater, Celia atuou como secretária e memória viva da guerrilha, pois guardava todos os documentos, papéis, anotações, palavras e discursos de Fidel, até as piadas que o Comandante contava em momentos de descontração. A quem considerava um exagero guardar tudo, ela afirmava: “Há muitos papéis sem importância hoje, mas para o futuro e para a história, serão de grande valor”. Após o triunfo de 1º de janeiro de 1959, foi secretária do Conselho de Estado, deputada do Parlamento, membro do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba e da Direção Nacional da Federação de Mulheres Cubanas. Destacou-se como difusora da história, das artes, da moda, da comida e de todas as formas de manifestação da nacionalidade cubana.
Morreu, vitimada por um câncer, no dia 11 de janeiro de 1980. O monumento erguido em sua homenagem no Parque Lênin, no subúrbio de Havana, está sempre coberto por centenas de flores que ela tanto amava. Seu nome está nas ruas, nas praças, escolas e nas inúmeras Celias que, em todo o país, carregam consigo a homenagem das suas mães à heroína do povo cubano.   

Celia: a Flor Nativa
Ela nasceu em Cuba em 1920, filha de médico e tinha oito irmãos. Célia Sánchez Manduley desde cedo revelou duas tendências: liderança e simpatia. Muito jovem, ingressou no Partido do Povo Cubano, por influência do pai que fazia oposição ao governo Fulgêncio Batista. Todos conhecem a história de Fidel Castro, mas poucos sabem que ela esteve no centro da Revolução Cubana.
Célia usou o seu poder de comunicação para organizar um movimento de guerrilha libertadora. O movimento criou corpo e em 1957, ela entrou no Exército Rebelde tornando-se uma brava guerrilheira e fiel aliada de Fidel Castro.
Sendo amiga íntima de Fidel, passou a organizar a vida dele e era a única de ousava criticá-lo. Foi a primeira guerrilheira da Sierra Maestra, e isso, abriu oportunidades para outras mulheres seguir seu exemplo. Tendo poder e sabedoria para comandar, esteve à frente no ataque ao Quartel Uvero, saindo-se vitoriosa ao exército de Batista. Dizem que as grandes decisões políticas partiam dela. Além do comando, Célia controlava tudo, inclusive as finanças do grupo.
Tinha a mania de anotar, guardar, escrever, tudo o que acontecia sob a justificativa de “preservar a história”. Fez parte do Comitê Central do Partido Comunista Cubano. Era ferrenha defensora das artes, da moda, da gastronomia e das flores da região, tudo em nome da história. Amava tanto as flores que, Fidel a chamava de ‘flor autóctone” (nativa).
Morreu de câncer em 1980 e a casa onde nasceu agora é museu. Ganhou um mausoléu em Havana onde está sempre coberto de flores. É tida como heroína. E mais: é impossível escrever a história de Fidel Castro sem citar Célia Sanchez. Guerrilheira sim, mas sem perder a ternura.

Celia Sanchez não foi apenas a mais importante recrutadora e organizadora da Revolução Cubana, ela também foi a guerrilheira mais corajosa e mais determinada nas montanhas de Sierra Maestro durante os três anos cruciais em que Fidel Castro estava na prisão ou no México. Sem Celia não teria havido nenhuma revolução para Fidel se juntar.


Fe del Valle Ramos

Resultado de imagem para Fe del Valle RamosFe del Valle Ramos – comumente conhecida como "Lula", ativista dos direitos civis cubano.
Às vésperas da agressão a Playa Girón, um incêndio provocado por terroristas pagos pela CIA na maior loja de departamentos d capital, El Encanto (nascida na província de Villa Clara), mata a trabalhadora Fe del Valle Ramos, revolucionária fundadora da FMC - Federação de Mulheres Cubanas (era chefe da delegação da loja para a Federação de Mulheres Cubanas), deixou dois filhos de 14 e 17 anos. Em abril de 1961, ela estava ajudando a planejar a construção de uma creche no telhado do prédio. Isso era para servir os filhos dos funcionários da loja, a maioria dos quais eram mulheres.
O antigo local da loja de departamentos é agora a localização do parque Fe del Valle.
Quando faleceu, vítima do terrorismo, tinha apenas 44 anos de idade. Uma mulher corajosa, militante e fundadora da Federação das Mulheres Cubanas.

Fe del Valle Ramos não pôde apreciar as maravilhas que mais tarde foram alcançadas com a construção do socialismo em Cuba, mas 58 anos depois de sua morte, seu exemplo perdura entre as mulheres cubanas.
Resultado de imagem para Haydée Santamaría

Melba Hernández Rodríguez e Haydée Santamaría
Resultado de imagem para Haydée SantamaríaPossuindo uma personalidade rebelde, Haydee Santamaria Cuadrado nasceu em 30 de dezembro de 1922, em Encrucijada, presente província de Villa Clara, e deixou sua marca na história de Cuba, com uma paixão que ultrapassou os limites pessoais a ser dada aos mais pobres.
Haydee Santamaria e Melba Hernandez eram as únicas mulheres na ação heróica, de 26 de julho de 1953, quando um grupo de jovens liderado por Fidel Castro atacou o quartel Moncada em Santiago de Cuba e Carlos Manuel de Céspedes em Bayamo para reiniciar lutar pela liberdade da pátria.
Os combatentes, depois de terem parado o ataque, resistiram com integridade nas masmorras de Moncada, a segunda fortaleza da ditadura de Fulgencio Batista; no caso de Haydee, ele sofreu a tortura eo assassinato de seu irmão Abel e de cabeça e seu namorado Boris Luis Santa Coloma, vileza com a qual ele foi brutalmente perseguidos por bandidos.

Depois da prisão, Haydée e Melba espalharam a alegação da História de Fidel, que me absolverá, como programa revolucionário; Mais tarde, colaboraram desde o exílio até se juntarem à guerrilha da Sierra Maestra, onde se desenvolveu a última luta pela independência cubana, iniciada em Moncada.
Após o triunfo da Revolução, em 1º de janeiro de 1959, o destacado combatente foi presidente da Casa das Américas, destacada instituição cultural do continente.
Sob as ordens de Fidel, Haydée foi para o exílio como delegado do Movimento 26 de Julho no exterior, para reunir os exilados revolucionários.

Resultado de imagem para Haydée Santamaría
Melba, por sua vez, participou dos preparativos para a expedição do Granma e depois se juntou às forças da Terceira Frente de Mario Muñoz, sob o comando de Juan Almeida.

Após o triunfo da Revolução, Haydée assumiu a liderança da Casa das Américas, um centro que hospedava os mais importantes intelectuais, artistas e trovadores do continente, incluindo os cantores e compositores do movimento Nueva Trova Cubana.

Melba, enquanto isso, assumiu responsabilidades no Comitê Cubano para a Solidariedade com o Vietnã, o Camboja e o Laos; na Organização de Solidariedade com os Povos da Ásia, África e América Latina (OSPAAAL); serviu como Embaixador cubano no Vietnã e Kampuchea, e diretor do Centro de Estudos da Ásia e Oceania

Haydée Santamaría: o mais famoso suicídio da revolução cubana! continua...





__Organização e publicação: Gláucia Lima (escritora, editora do Blog: Ser İVoz!) – vice-presidente da Casa de Amizade Brasil/Cuba-CE e Coordenadora do FMFi – Fórum de Mulheres no Fisco.

Ser İVoz! https://t.co/NDcvjPsBJF