quinta-feira, 17 de dezembro de 2020

NOTE OF SOLIDARITY - NOTA SOLIDARIDAD



_español

NOTA DE SOLIDARIDAD A LA EMBAJADA DE CUBA

En el último mes de noviembre, Cuba, el pueblo cubano y aquellos que se los prestan solidaridad observaron atentos a la farsa mediática atraves del cual un grupo autodenominado Movimiento San Isidro, con apoyo de terroristas en los E.E.U.U. y de la prensa burguesa, aplicó un intento fracasado de "golpe suave" contra el pueblo cubano.

Entre los días 18 y 27 de noviembre el grupo se reunió en la sede del Movimiento San Isidro, en el barrio homonimo en la Habana, en una supuesta huelga de sed y de hambre que en la práctica nunca ocurrió. Reivindicaban "libertad de expresión" y la libertad de Denis Solís González, un artista supuestamente censurado, que había sido encarcelado en el comienzo de noviembre y condenado a 8 meses de cárcel por desacato.

En el momento de su prisión, Denis Solís gritaba que su presidente era Donald Trump, actitud en parte reveladora de los intereses que tanto él como el Movimiento San Isidro representan. Además de eso, Denis Solís reconoció en video su vínculo con Jorge Fernández Figueras, que ya ha orquestado acciones terroristas a un grupo emplazado en Miami. Figueras había ofrecido 200 dólares para Denis Solís también servir a la contrarrevolución.

Entre los líderes del Movimiento San Isidro está Luís Miguel Otero Alcántara, que ostenta un historial de provocaciones contra la Revolución Cubana y admira figuras que intensificaron el bloqueo genocida de los E.E.U.U. contra el pueblo cubano.

Los intereses del Movimiento San Isidro son expresamente alineados a los intereses del imperialismo estadunidense y de su burguesía, que quiere lucrar a costa de la opresión y de la explotación del pueblo cubano, como ocurría hasta 1959. Si no representaran el imperialismo, no habría razones para Mike Pompeo, en más una demostración de injerencia de los Estados Unidos en los asuntos internos de los gobiernos de otros países, se haber manifestado públicamente en apoyo a los golpistas. Pero esa farsa contrarrevolucionaria, propagada por la prensa burguesa como una lucha honorable por supuestas libertades democraticas (a ejemplo de lo que ocurre en otros países que no se doblegan a los intereses del imperialismo) rápidamente se ha desmoronado y hoy no queda nada si no el de reconocimiento del fracaso de esos golpistas.

La injerencia promovida por el imperialismo sigue el orden de lo que ocurre recientemente en otras partes del mundo, como Síria, Ucrania y Belarús, en una estrategia de guerra híbrida, en el intento de promover desestabilización atraves de manifestaciones que según parece, serían espontáneas, pero obviamente no lo son. Quien está en el frente de ellas recibe apoyo externo, sea de ONGS estadunidenses o indivíduos aliados al imperialismo como es el caso del Movimiento San Isidro.

Además de los intentos de promoción de golpes suaves con el financiamiento e incentivo a grupos terroristas en otros países, los Estados Unidos buscan la desestabilización de aquellos que no se doblegan a sus intereses imperialistas también atraves de bloqueos económicos y sanciones, política con la cual Cuba sigue sufriendo hace seis décadas, desde 1960. Mismo en el contexto de pandemia por lo cual el mundo pasa, el bloqueo no ha cesado, por lo contrário, ha sido más intenso. Y Cuba ha respondido con ejemplar solidaridad a los pueblos, como las Brigadas Medicas Henry Reeve no se dejan negar.

Por lo tanto, nosotros, de la Casa de Amistad Brasil-Cuba en el Ceará venimos expresar y saludar la firmeza de la Revolución y del pueblo cubano, bien como manifestar nuestro más profundo repúdio a las acciones orquestadas por los golpistas y a la injerencia de los Estados Unidos en los asuntos internos del gobierno cubano, que no se los dice respeto.

 

¡Abajo el criminal bloqueo imperialista a Cuba!

¡Viva la Revolución Cubana!

¡Viva la resistencia del heroico pueblo cubano!

 

_português

NOTA DE SOLIDARIEDADE À EMBAIXADA CUBA

No último mês de novembro, Cuba, o povo cubano e aqueles que lhes prestam solidariedade observaram atentos à farsa midiática através da qual um grupo autointitulado Movimento San Isidro, com apoio de terroristas nos EUA e da mídia burguesa, aplicou uma tentativa fracassada de "golpe suave" contra o governo cubano.

 

Entre os dias 18 e 27 de novembro o grupo se reunia na sede do Movimento San Isidro, no bairro homônimo em Havana, numa suposta greve de sede e de fome que na prática nunca aconteceu. Reivindicavam "liberdade de expressão" e a liberdade de Denis Solís González, um artista supostamente censurado, que havia sido preso no começo de novembro e condenado a 8 meses de prisão por desacato.

 

No momento de sua prisão, Denis Solís bradou que seu presidente era Donald Trump, atitude em parte reveladora dos interesses que tanto ele como o Movimento San Isidro representam. Ademais, Denis Solís reconheceu em vídeo seu vínculo com Jorge Luis Fernández Figueras, que já orquestrou ações terroristas contra Cuba e pertence a um grupo com base em Miami. Figueras havia oferecido 200 dólares para Denis Solís também servir à contrarrevolução.

 

Entre os líderes do Movimento San Isidro está Luis Manuel Otero Alcántara, que ostenta um histórico de provocações contra a Revolução Cubana e admira figuras que intensificaram o bloqueio genocida dos EUA contra o povo cubano.

 

Os interesses do Movimento San Isidro são expressamente alinhados aos interesses do imperialismo estadunidense e de sua burguesia, que quer lucrar às custas da opressão e da exploração do povo cubano, como acontecia até 1959. Se não representassem o imperialismo, não haveria razões para Mike Pompeo, em mais uma demonstração de ingerência dos Estados Unidos em assuntos internos dos governos de outros países, ter se manifestado publicamente em apoio aos golpistas. Mas essa farsa contrarrevolucionária, propagada pela mídia burguesa como uma luta louvável por supostas liberdades democráticas (a exemplo do que acontece também em outros países que não se curvam aos interesses do imperialismo) rapidamente desmoronou e hoje não resta nada senão o reconhecimento do fracasso desses golpistas.

 

A ingerência promovida pelo imperialismo segue a ordem do que vem acontecendo recentemente em outras partes do mundo, como Síria, Ucrânia e Belarus, numa estratégia de guerra híbrida, na tentativa de promover desestabilização através de manifestações que aparentemente seriam espontâneas, mas obviamente não são. Quem está à frente delas recebe apoio externo, seja de ONGs estadunidenses ou indivíduos aliados do imperialismo, como é o caso do Movimento San Isidro.

 

Além das tentativas de promoção de golpes suaves com o financiamento e incentivo a grupos terroristas em outros países, os Estados Unidos buscam a desestabilização daqueles que não se curvam aos seus interesses imperialistas também através de bloqueios econômicos e sanções, política com a qual Cuba tem sofrido há seis décadas, desde 1960. Mesmo no contexto de pandemia pelo qual o mundo passa, o bloqueio não cessou, pelo contrário, tem sido mais intenso. E Cuba tem respondido com exemplar solidariedade aos povos, como as Brigadas Médicas Henry Reeve não deixam negar.

 

Portanto, nós, da Casa da Amizade Brasil-Cuba no Ceará, vimos expressar nosso apoio e solidariedade e saudar a firmeza da Revolução e do povo cubanos, bem como manifestar nosso mais profundo repúdio às ações orquestradas pelos golpistas e à ingerência dos Estados Unidos em assuntos internos do governo cubano, que não lhe diz respeito.

 

Abaixo o criminoso bloqueio imperialista a Cuba!

Viva a Revolução Cubana!

Viva a resistência do heróico povo cubano!

 

_english

NOTE OF SOLIDARITY TO THE CUBA EMBASSY

Last November, Cuba, the Cuban people and those who show them/their solidarity closely observed the media farce through which a group that refers itself as the San Isidro Movement, with support from terrorists based in the USA and the bourgeois media, attempted a failed "soft coup" against the Cuban government.

 

Between November 18th and 27th, the group met at the headquarters of the San Isidro Movement, in the homonymous neighborhood in Havana, in a so-called thirst and hunger strike that in practice never happened. They demanded "freedom of speech" and the freedom of Denis Solís González, an allegedly censored artist, who had been arrested in early

November and sentenced to 8 months in prison for contempt.

 

At the time of his arrest, Denis Solís shouted that his president was Donald Trump, an attitude that in part reveals the interests that both he and the San Isidro Movement represent. In addition to that, Denis Solís recognized on video his link with Jorge Luis Fernández Figueras, who has already orchestrated terrorist actions against Cuba and belongs to a group in Miami. Figueras had offered $ 200 for Denis Solís to serve the counterrevolution as well.

 

Among the leaders of the San Isidro Movement there is Luis Manuel Otero Alcántara, who carries a history of provocation against the Cuban Revolution and admires figures who have intensified the USA's genocidal blockade against the Cuban people.

 

The interests of the San Isidro Movement are expressly aligned with the interests of USA imperialism and its bourgeoisie, which wants to profit from the oppresion and exploitation of the Cuban people, as it used to until 1959. If they did not represent imperialism, there would be no reason for Mike Pompeo, in one more demonstration of the United States' interference in the internal affairs of other countries's governments, to have expressed himself publicly in support of the scammers. But this counterrevolutionary farce, propagated by the bourgeois media as a commendable fight for supposed democratic freedoms (something that also happens in other countries that do not bow to imperialism's interests) quickly collapsed and today there is nothing left but the recognition of the failure of those scammers.

 

The interference promoted by imperialism follows the order of what has been happening recently in other parts of the world, such as Syria, Ukraine and Belarus, in a hybrid war strategy, in an attempt to promote destabilization through manifestations that would be apparently spontaneous, but they obviously are not. The ones who lead them receive external support, whether from American NGOs or individuals allied with imperialism, as is the case of the San Isidro Movement.

 

In addition to attempts to promoting soft coups by financing and encouraging terrorist groups in other countries, the United States seek to destabilize those who do not bow to their imperialist interests also through economic blockades and sanctions, a policy with which Cuba has suffered for six decades, since 1960. Even in the context of a pandemic that the world is going through, the blockade has not ended, on the contrary, it has become more intense. And Cuba has responded with exemplary solidarity to the peoples, as the Henry Reeve Medical Brigades do not omit.

 

Therefore, we, from the Casa da Amizade Brasil-Cuba in Ceará, Brazil, came to express our support and solidarity and salute the firmness of the Revolution and of the Cuban people, as well as express our deepst rejection of the actions orchestrated by the scammers and the interference of the US in internal affairs of the Cuban government, which

does not concern it.

 

Down with the criminal imperialist blockade against Cuba!

Long live the Cuban Revolution!

Long live the resistance of the heroic Cuban people!



terça-feira, 18 de agosto de 2020

Carta aos EUA pelo Fim do Bloqueio a Cuba - inglês e português

            TO THE GOVERNMENT OF THE UNITED STATES OF AMERICA

         Mr. Donald Trump

 

        We, from the state of Ceará, located in the Northeast of Brazil, representatives of social and political movements signed below, considering the tragic pandemic that reaches all the peoples, of the world, which has already victimized millions of people, reaping tens of thousands of lives, we saw:

1)    Express out most vehement repudiation of the recent attitudes of the United States Government that ignoring all help that Cubans have offered without distinction of origin, to the people needy from the world, adopts measures that further deepen the unjust and genocidal blockade imposed on Cuba for almost six decades, causing incalculable losses of the economic end humanitarian points of view.

2)    Require the end of the economic blockade that as already mentioned, for almost six decades have been unjustly perpetrated  against the Cuban people and amid the world’s sanitary crisis caused by Covid-19 has been even intensified.

In these almost sixty years, Cuba never offered reason for such diplomatic persecution. As Fidel Castro said, Cuba doesn’t have nuclear weapons, chemical weapons or biological weapons by the contrary to the example of  the Henry Reeves Brigades has always demonstrated solidarity and respect for the people  from all over the world. “Doctors, don’t bombs! That’s what the world needs.

The world need doctors and not bombs.

Today, despite the harmful effects of the cruel American blockade to the Cuban people, the Cuba  Government is on the front line in combating this sanitary crisis and has been showing examples of solidarity to all peoples of the planet, by sending medical, medicines and participating in the research on the development of vaccines, drugs and efficient measures in combating viruses.

Acting against freedom and solidarity to the peoples, the American Government has been trying to prevent the fight against Covid-19 that be humanitarily performed. While in the world even in the United States people die at thousands every day.

Therefore we reinforce our manifestation of repudiation and our demands at the end of    economic blockade.

¡No más bloqueo!

 

 

 

MOVEMENTS:

 

Casa da Amizade Brasil Cuba do Ceará,

Partido Comunista Brasileiro,

Partido dos Trabalhadores de Fortaleza,

Partido Comunista do Brasil,

Tendência Revolucionária Socialista,

OPTEI,

Vanguarda Popular,

Campo Socialista,

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST do Ceará,

Movimento Democracia Participativa,

SEBRAPAZ – Ceará,

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Fiação e Tecelagem de Fortaleza,

Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras no Comercio e Serviço do Ceará,

Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal do Estado do Ceará,

Resistência Socialista – Ceará,

Fórum de Mulheres do Fisco-FMfi do Ceará,

Partido dos Trabalhadores do Município de Baturité-Ceará,

Casa de Cultura e defesa da Mulher Chiquinha Gonzaga-Ceará,

Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados Serviços de Computação de Informação e Novas tecnologias da Informação do Estado do Ceará,

Sindicato dos Eletricitários do Estado do Ceará,

 

 

AO GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

 

Sr. Donald Trump,

 

Nós, do estado do Ceará, localizado no nordeste do Brasil, representantes dos movimentos sociais e políticos abaixo firmados, considerando a trágica pandemia que atinge todos os povos do mundo, a qual já vitimou milhões de pessoas, ceifando dezenas de milhares de vidas, vimos:

 

1) externar o nosso mais veemente repúdio às recentes atitudes do governo dos Estados Unidos, que, ignorando toda a ajuda que os cubanos têm oferecido, sem distinção de origem, aos povos necessitados do mundo, adota medidas que aprofundam ainda mais o injusto e genocida bloqueio imposto a Cuba há quase seis décadas, causando prejuízos incalculáveis dos pontos de vista econômico e humanitário;

 

2) exigir o fim do bloqueio econômico, que, como já mencionado, há quase seis décadas vem sendo injustamente perpetrado contra o povo cubano e, em meio à crise sanitária mundial causada pela Covid-19, tem sido mesmo intensificado.

 

Nesses quase sessenta anos, Cuba jamais ofereceu razão para tal perseguição diplomática. Como dizia Fidel Castro, Cuba "não possui armas nucleares, nem armas químicas, nem armas biológicas". Pelo contrário, a exemplo das brigadas Henry Reeve, tem sempre demonstrado solidariedade e respeito aos povos de todo o mundo. "Médicos, não bombas!" É disso que o mundo precisa.

 

Hoje, a despeito dos efeitos nefastos do cruel bloqueio estadunidense ao povo cubano, o governo de Cuba está na linha de frente no combate a essa crise sanitária e vem mostrando exemplos de solidariedade a todos os povos do planeta, enviando médicos, medicamentos e participando das pesquisas em torno do desenvolvimento de vacinas, fármacos e medidas eficientes no combate ao vírus.

 

Agindo na contramão da liberdade e da solidariedade aos povos, o governo estadunidense vem tentando impedir que o combate à pandemia de Covid-19 seja humanitariamente realizado. Enquanto isso, em todo o mundo, inclusive nos próprios Estados Unidos, pessoas morrem aos milhares todos os dias.

 

Portanto, reforçamos nossa manifestação de repúdio e nossas exigências ao fim do bloqueio econômico: ¡NO MÁS BLOQUEO!

 

 

 

 

 


 

 

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

- NOITE CUBANA -

#NoMásBloqueo
O bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra #Cuba entrou em vigor em 7 de fevereiro de 1962 e intensificou-se em dimensões irracionais nos últimos anos.

1º GRITO DE CARNAVAL CONTRA O BLOQUEIO A CUBA
Dia 06/02/20 - quinta-feira na ADUFC aconteceu o 1º Grito de Carnaval contra o Bloqueio dos EUA a Cuba, foi um SUCESSO!!! 👏🏼
Noite Cubana foi abrilhantada por Pingo de Fortaleza com o Maracatu Solar, Descartes Gadelha,  Cumpade Barbosa e muita salsa com Samuel, dançarino e professor do ritmo caribenho. 🥁👆🏽 Mojito e Charutos deram o tom da festa
¡Hasta la Victoria Sempre! 🏽 ¡Patria o Muerte, Venceremos!
61 anos da revolução cubana reforça os ideais revolucionários pela solidariedade, internacionalismo e paz entre os povos!
_Mural de mensagens destacava o Amor à Ilha
_Organização e colaboradores embalados pela alegria caribenha
#VivaCubaLibre 🇨🇺 #VivaLaRevolución


1º Grito de Carnaval contra o Bloqueio à Cuba
Noite Cubana traz mistura de culturas com salsa e carnaval
A festa, realizada pela Casa da Amizade Brasil Cuba do Ceará, acontece na quinta-feira, 06/02, na Adufc, com entrada gratuita.

A Casa da Amizade Brasil Cuba do Ceará, com o apoio da ADUFC, realiza na quinta-feira, 06/02, às 18h30, na sede da Adufc (Av. da Universidade,2346 - Benfica), a Noite Cubana - 1º Grito de Carnaval contra o Bloqueio à Cuba.  O evento celebra os 61 anos da revolução cubana e reforça os ideais revolucionários pela solidariedade, internacionalismo e paz entre os povos.

Regado a mojitos e charutos cubanos, o evento contará com a participação especial do cantor Cumpade Barbosa e apresentação do Pingo de Fortaleza com o Ensaio do Maracatu Solar. Também vai ter muita salsa com direito a aulão de dança.
Uma novidade nesta edição do evento é a venda de comidinhas veganas, além dos pratinhos convencionais e bebidas em geral. A entrada é gratuita.

Serviço:
Noite Cubana - 1º Grito de Carnaval contra o Bloqueio à Cuba
Quando? Quinta-feira, 06 de fevereiro de 2020
Onde? Sede da Adufc - Av. da Universidade,2346 - Benfica
Que horas? 18h30 - Fortaleza/CE

Realização: 
Casa da Amizade Brasil-Cuba/CE
End.: Rua Waldery Uchoa, nº 625 (B) – Benfica
Fortaleza - Ceará

sábado, 18 de janeiro de 2020

Marcha das Tochas - Cuba

Marcha de Las  Antorchas - 28 de enero    
Uma multitudinária marcha de luz percorre Havana, em homenagem ao homem que, por sua absoluta dedicação à terra natal, foi reconhecido pelo seu povo como apóstolo.


Todos os anos, a data do nascimento de José Martí, 28 de janeiro, convida todas as gerações de cubanos às escadarias da Universidade de Havana para a Marcha das Tochas – Marcha de las Antorchas.

A capital de Havana permanece acordada para iluminar seus edifícios, história e vida, 500 anos após sua fundação, comemorando assim a vida de um de seus filhos mais amados.

Fonte: ACN - Agência Cubana de Notícias - http://www.acn.cu/


Livre tradução: Gláucia Lima –  
Vice-presidente da Casa de Amizade Brasil-Cuba do Ceará

segunda-feira, 13 de maio de 2019

VI Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba - 60 anos da Revolução Cubana

Cearenses reafirmam apoio à Revolução Cubana em Convenção Estadual
Na noite da última quinta-feira (30) na sede da ADUFC, em Fortaleza (CE), foi realizada a VI Convenção Estadual de solidariedade a Cuba. O evento foi organizado pela Casa da Amizade Brasil-Cuba do Ceará em ação coletiva com diversas entidades da sociedade civil organizada que se somaram a luta em defesa da Revolução Cubana e suas conquistas nos últimos 60 anos.
Confira tudo no link acima.

O evento contou no início com apresentações artísticas de "Rebeka" e do cantor e poeta "Cumpade Barbosa", fazendo uma miscelânea rítmica entre a cultura latina e a poesia popular em Patativa do Assaré.

Na Conferência principal da noite o juiz aposentado Dr. Inocêncio Uchôa, do Coletivo Juristas pela Democracia, fez um apanhado da história de Cuba, seus antecedentes e os desdobramentos que conduziram ao processo revolucionário de 1959, além de discutir momentos importantes, como a Crise dos Mísseis e a parceria comercial entre a Ilha e a União Soviética no seculo XX.

Gláucia Lima, Vice Presidente da Casa da Amizade, explanou acerca do papel das mulheres na Revolução e destacou figuras históricas como Vilma Spin,
Haydée Santamaría  e Célia Sanchez. Participaram ainda da mesa do evento o Presidente da Ass. Cultural José Martí (ES), Marlúzio Dantas e o Professor José Carlos Vasconcelos.
Cubanas - Mujeres en Revolución

A VI Convenção ainda foi palco de homenagens a figuras importantes para a defesa da democracia no Brasil e de solidariedade a Cuba. Foram homenageadas a Presidente de honra da Casa da Amizade, Cecília Cruz e a Diretora da Casa, Maria Oliveira. Ainda receberam homenagens o ex Secretário e dirigente político José Nunes Passos e o jornalista Messias Pontes (in memoriam), ambos sócios-fundadores da Casa.
Homenagens na VI Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba
- 60 anos da Revolução Cubana -

Cecilia Cruz – Sócia-fundadora, Presidenta de Honra da Casa de Amizade Brasil/Cuba-CE, é enfermeira, bancária aposentada, foi militante do PCB, participou da resistência à ditadura militar brasileira.

Maria de Oliveira Alves – É, atualmente, na Casa de Amizade Brasil/Cuba-CE, a Primeira Secretária. Profissão: Auxiliar de Enfermagem; no movimento sindical: atuando no SINDSAÚDE de 1990 a 2000, como Presidente:  entre 1993 a 1999, 4 mandatos; filiada ao PCdoB, atualmente atua no Comitê Barra Oeste Grupo de Mulheres.
 
Messias Pontes - Jornalista, trabalhou nos maiores jornais do
Estado, Messias atuava no programa Espaço Aberto (rádio Cidade AM 860), integrou a Comissão de Ética do Sindicato dos Jornalistas no Ceará, foi presidente do Comitê de Imprensa da Câmara Municipal de Fortaleza e do Comitê de Imprensa da Assembleia Legislativa do Ceará, sócio fundador era diretor de Comunicação da Associação de Amizade Brasil-Cuba do Ceará. Comunista histórico, Messias foi um dos responsáveis pela reorganização do
PCdoB no Ceará após a Ditadura Militar. Anistiado político e membro do Comitê Estadual do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), presidia a Comissão da Verdade, Memória e Justiça dos Jornalistas Cearenses, que resgata a história de profissionais perseguidos pela ditadura no Estado, escrevia semanalmente um artigo para o jornal O Estado e era colunista nacional do Portal Vermelho.
Um de seus maiores legados foi sem dúvida o programa Espaço Aberto, que começou na TVC ainda na década de noventa e depois passou para o rádio. Começou na rádio Cidade AM, foi para a rádio Assunção, seguiu para a rádio Metropolitana, foi para a rádio Pitaguary, voltou para a rádio Assunção e novamente para a rádio Cidade AM, onde permaneceu até junho de 2017. 
José Nunes Passos - foi presidente do Sindicato dos comerciários de Fortaleza, presidente da Federação dos Trabalhadores no Comercio e Serviço do Estado do Ceará, Delegado do Trabalho no Governo do presidente Lula e secretário de governo na Administração da prefeita Luizianne Lins (PT). Foi também dirigente do PT .
Passos foi a Cuba convidado pelo Ibiapino, foi sempre um incentivador e amigo da Casa da Amizade Brasil Cuba do Estado do Ceará.
Uma de suas grandes virtudes foi seu espirito de solidariedade!


#Convenção #Revolução #BrasilCuba #Ceará
  

Convenção acontecerá em 30 de maio de 2019 na ADUFCE – Associação de Docentes da Universidade Federal do Ceará, a partir das 18h30, localizada na Av. da Universidade, nº 2346 – Benfica – Fortaleza/CE. 


A VI Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba é um evento bianual organizado pela Casa da Amizade Brasil-Cuba do Ceará (Associação Cultural José Martí) e conta com o apoio do Consulado Cubano no Brasil para o Nordeste; CEBRAPAZ/CE; FMFi – Fórum de Mulheres no Fisco; e, Instituto Tonny Ítalo – InsTI, Comitê Cearense de Solidariedade à Venezuela, além de vários outros grupos e movimentos sociais. 

 Programação:

VI Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba

                60 anos da Revolução Cubana 

19h – Apresentação das Artistas: Rebeka (poesia)
         
Cumpadre Barbosa (músical)

19h25 – Conferência com Dr. Inocêncio Uchôa: 60 anos de Resistência da Revolução Cubana

19h45 – Conversa com a escritora Gláucia Lima: A Mulher na Revolução Cubana

20h05 – Preleção com Prof. José Carlos Vasconcelos: Bloqueio a Cuba na Atualidade

20h20 – Palestra com Presidente da ACJM/ES Marlúzio Dantas: Revolução Cubana pela Paz e Solidariedade

20h35 – Intervenções da Plenária

21h05 – Homenagens Especiais: Cecília Cruz e Maria Oliveira / José Nunes Passos e Messias Pontes - in memoriam

21h20 - Coquetel de Encerramento

 

Participe conosco do Evento!


domingo, 13 de janeiro de 2019

REVOLUÇÃO CUBANA - 60 anos de Luta e Resistência!


“La Lucha por la vida, la Voz de la ilusión, la Luz de la utopia, Ésto es La Revolución”
¡Patria o Muerte, Venceremos!


A REVOLUÇÃO CUBANA COMPLETA 60 ANOS
_Frei Betto*

      1º de janeiro de 2019, 60 anos da Revolução Cubana. Quem diria? Para a soberba dos serviços de inteligência dos EUA a ousadia dos barbudos de Sierra Maestra, ao livrar Cuba da esfera de domínio de Tio Sam, era um “mau exemplo” a ser o quanto antes apagado das páginas da história. A CIA mobilizou e treinou milhares de mercenários e Kennedy mandou-os invadir Cuba (1961). Foram vergonhosamente derrotados por um povo em armas. E, de quebra, a hostilidade da Casa Branca levou Cuba a se alinhar à União Soviética. O tiro saiu pela culatra. Mexer com Cuba passou a significar aquecer a Guerra Fria, como o demonstrou a crise dos mísseis (1962).

      Tio Sam não botou as barbas de molho. Transformou cubanos exilados em Miami em terroristas que         derrubaram aviões, explodiram bombas, promoveram sabotagens. E investiu uma fortuna para alcançar o mais espetacular objetivo terrorista: eliminar Fidel. Foram mais de 600 atentados. Todos fracassados. Fidel faleceu na cama, cercado pela família, em 25 de novembro de 2016, pouco antes de a Revolução completar 58 anos. Havia sobrevivido a 10 ocupantes da Casa Branca que autorizaram operações terroristas contra Cuba: Eisenhower, Kennedy, Johnson, Nixon, Ford, Carter, Reagan, Bush pai, Clinton e Bush filho.

      Fracassada a invasão da Baía dos Porcos, impôs-se o bloqueio a Cuba (1961). Medida criticada por três papas em visita a Havana: João Paulo II (1998), Bento XVI (2012) e Francisco (2015). Porém, a Casa Branca não escuta vozes sensatas. Prefere se isolar, ao lado de Israel, a cada ano em que a Assembleia da ONU vota o tema do bloqueio. Pela 27ª vez, em 2018, 189 países se manifestaram contra o bloqueio a Cuba.

      Com a queda do Muro de Berlim e o desaparecimento da União Soviética (1989), os profetas da desgraça prenunciaram o fim do socialismo cubano. Não falharia a teoria do dominó... Equivocaram-se. Cuba resistiu, suportou o Período Especial (1990-1995) e se adaptou aos novos tempos de globalização.

      Muitos se perguntam: por que os EUA não invadiram Cuba com tropas convencionais (já que os mercenários foram derrotados), como fez na Somália (1993), Granada (1983), Afeganistão (2001) e Iraque (2003), Líbia (2011), Síria (2017), Níger (2017), e Iêmen (2018)? A resposta é simples: uma potência bélica é capaz de ocupar um país e derrubar-lhe o governo. Mas não derrotar um povo. Esta lição os estadunidenses aprenderam amargamente no Vietnã, onde foram escorraçados por um povo camponês (1955-1975). Atacar Cuba significaria enfrentar uma guerra popular. Após a humilhação sofrida no Sudeste Asiático, a Casa Branca prefere não correr o risco.

      Por que Cuba incomoda a tantos que associam, indevidamente, capitalismo e democracia? Porque Cuba convence as pessoas intelectualmente honestas, que não se deixam levar pela propaganda anticomunista fundada em preconceitos, e não em fatos, que, apesar de toda a campanha mundial contra a Revolução, na ilha ninguém morre de fome, anda descalço, é analfabeto com mais de 6 anos de idade, precisa ter dinheiro para ingressar na escola ou cuidar da saúde, seja uma gripe ou uma complexa cirurgia do coração ou do cérebro. No IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) da ONU, que abrange 189 países, Cuba ocupa melhor lugar (68º) que a maioria dos países da América Latina, incluído o Brasil (79º lugar).
      Enquanto o capitalismo enfatiza, como valor, a competitividade, a Revolução incute no povo cubano a solidariedade. Graças a isso Cuba despachou tropas, nas décadas de 1960 e 1970, para ajudar nações africanas a se libertarem do colonialismo europeu e conquistarem sua independência. Raúl Castro foi o único chefe de Estado estrangeiro a ter direito a discursar nos funerais de Mandela, porque o governo da         África do Sul reconheceu a importância da solidariedade cubana para o fim do apartheid.

      Graças à solidariedade, professores e médicos cubanos se espalham por mais de 100 países, trabalhando nas áreas mais pobres e remotas. E graças aos princípios éticos da Revolução, em Cuba não se vê famílias debaixo de pontes, crianças de rua, mendigos estirados pelas calçadas, cracolândia, máfias de drogas. Os delatores da Odebrecht denunciaram todos os agentes públicos corrompidos nos países da América Latina nos quais a empresa atuou. Menos Cuba, onde ela construiu o porto de Mariel.         Algum delator quis defender Cuba? Óbvio que não. Apenas nenhum cubano se deixou corromper.

      O povo cubano chegou ao paraíso? Longe disso. Cuba é uma nação pobre, porém decente. Apesar do bloqueio e de todos os problemas que ele acarreta, seu povo é feliz. Por que então muitos saem de Cuba? Ora, muitos saem de qualquer país que enfrenta dificuldades. Saem da Espanha, da Grécia, da Turquia, do Brasil, da Venezuela e da Argentina. Mas quem sai? De Cuba, aqueles que, contaminados pela propaganda do consumismo capitalista, acreditam que o Eldorado fica acima do Rio Grande. Os mesmos que se regozijam com a emigração de uns poucos cubanos jamais se indagam por que nunca houve em Cuba uma manifestação popular contrária ao governo, como acaba de ocorrer na França (jalecos amarelos) e também recentemente na Tunísia (2011), Egito (2011), Turquia (2016), e anteriormente nos EUA (Seattle, 1999).

      Haveria um Cuba soldados ou guardas em cada esquina? João Paulo II declarou que lhe chamou a atenção não ver veículos militares nas ruas ao visitar Havana, como observou em tantos outros países. A maior arma da resistência cubana é a consciência da população.

      A Revolução Cubana comemora 60 anos! É muito pouco para um país triplamente ilhado: pela geografia, pelo bloqueio e por ser o único da história do Ocidente a adotar o socialismo. E quando os cubanos comemoram, não olham apenas para o passado de tantas gloriosas conquistas entre muitos desafios e dificuldades. Inspirados por Martí, Che, Fidel e Raúl, os cubanos sabem que a Revolução ainda é um projeto de futuro. Não só para a Cuba, mas para toda a humanidade, até que as diferenças (idioma, cultura, sexo, religião, cor da pele etc.) não sejam mais motivo de divergências, e a desigualdade social figure nos arquivos de pesquisas apenas como uma abominável referência histórica, como é hoje a escravatura.

      Longa vida à Revolução Cubana!

_Frei Betto* é escritor, autor de Paraíso Perdido – Viagens pelo Mundo Socialista (Editora Rocco), entre outros livros.

🙋🏽‍♀🇨🇺🙋🏽‍♂ Aqui ninguém se rende!

Golias sem sossego60 anos da Revolução Cubana

A Bíblia é repleta de histórias em que o impossível, em verbo, se faz carne para vencer o que se costuma dar por inevitável. É assim no Êxodo, na luta contra as forças do faraó, que põe fim à escravidão do povo hebreu no Egito; é assim quando o moleque franzino Davi derruba o poderoso gigante Golias; quando a jovem sem terra é escolhida como mãe do filho de Deus; quando a ressurreição retira dos opressores a última palavra, demonstrando que a maior das repressões é impotente ante o anseio de um povo por sua libertação. Para a história, o “impossível” é logo ali.

A ditadura derrubada

Localizada a 120 quilômetros da costa sudeste dos Estados Unidos, Cuba é logo ali. Diz-se que à noite dá até para enxergar as luzes de Miami.
Na década de 1950, a ilha se encontrava submetida a uma violenta ditadura. Os ricos dos Estados Unidos e seus aliados, entre eles os grandes proprietários de terra, haviam promovido um golpe de Estado e colocado no poder um cara chamado Fulgêncio Batista. Batista fazia o que Herodes fez no tempo de Jesus: massacrava o povo em nome dos interesses do império. A classe trabalhadora não tinha direito nem ao pão nem à greve. No campo, quem suava para fazer a terra produtiva, não possuía terra para plantar. Cuba não pertencia aos cubanos.
Foi então que, em 26 de julho de 1953, um grupo de militantes, liderado por um jovem advogado chamado Fidel Castro, rebela-se e tenta tomar de assalto o Quartel Moncada, uma das principais bases militares do regime. Perdem a batalha. Alguns são torturados, mortos, olhos arrancados. Fidel é preso.
Nesse instante, a Igreja Católica, grande proprietária de terras e detentora do monopólio escolar, divide-se. O cardeal de Cuba Manuel Arteaga e Betancur havia celebrado a instauração da ditadura, mas alguns bispos, como Alberto Evelio Díaz, auxiliar de Havana, posicionam-se contrários ao autoritarismo e, inicialmente, apoiam os rebeldes.
Graças à pressão popular, Fidel, marxista e com reconhecida formação cristã, é solto em maio de 1955 e exilado no México, onde organiza o Movimento Revolucionário 26 de Julho. Lá conhece um jovem médico argentino, Ernesto Guevara, que se junta ao grupo. Em final de novembro de 1956, o pequeno barco Granma, com capacidade para 14 pessoas, parte com 82 combatentes em direção à ilha. A missão revolucionária é retomada.
Mal desembarcam, são metralhados do alto por aviões. Dos oitenta e dois, somente doze chegarão vivos ao dia do triunfo, que acontece em primeiro de janeiro de 1959, em meio a uma massiva festança popular que ganha as ruas. Fugêncio Batista foge, carregando consigo parte da riqueza que roubara do povo cubano.
Com a sensação do dever cumprido, o militante Mustelier fala a Che (apelido dado a Guevara) que pretende sair em visita familiar. O comandante responde incisivamente que não. “Che, mas a revolução já ganhou”; “Não! Ganhamos a guerra. A revolução começa agora”. Nos três dias seguintes, retornam a Cuba oitocentos exilados de vários lugares da América.
Aos 12 revolucionários sobreviventes, somaram-se inúmeros camponeses sem-terra. Aos 12, uniram-se a juventude e milhões de trabalhadores e trabalhadoras da cidade. Aos 12, incorporou-se a memória de incontáveis mártires da libertação. Sem esse encontro, a vitória não teria sido possível.

A ousadia de construir uma nova sociedade

Sem o menor apreço pela soberania de um povo por ele antes dominado, os Estados Unidos engrenam uma sequência incalculável de ataques terroristas. Criam um criminoso bloqueio que impede ou dificulta as transações comerciais com outros países, promovem ataques à bomba em fábricas, incêndios em lavouras e assassinatos. Só contra Fidel se registram mais de seiscentas e vinte tentativas frustradas de tirar sua vida.
A partir de abril de 1961, a Revolução passa a ser declaradamente guiada por ideais socialistas. O aprofundamento das transformações na estrutura social afeta “os interesses patrimoniais do clero e da oligarquia cristã”, que abandonam o país. O estranhamento da parte clerical não combina com a liberdade de culto conquistada com a Revolução. Como lembra Frei Betto, “todas as religiões, inclusive os cultos afro-cubanos – até então proibidos –, passam a ter os mesmos direitos”. E continua: “muito mais grave foi o drama dos leigos que, conflitados pela oposição dos bispos – mas convencidos da obra de justiça realizada pela Revolução –, preferiram optar por esta e, ao fazê-lo, tiveram que deixar de frequentar a Igreja. Muitos, porém, jamais perderam a fé”. Os diálogos entre governo e bispos seriam reabertos dezesseis anos mais tarde.
Como todo movimento popular, as difamações e mentiras vindas dos instrumentos que atuam a serviço do capital bombardeiam nosso imaginário de maneira contínua e programada, o que não isenta a Revolução Cubana de erros e contradições verdadeiras.
Erros nascem todos os dias. Alguns deles, heranças não superadas da sociedade antiga. Vários foram assumidos publicamente e corrigidos, como é o caso do tratamento abusivo contra homossexuais nos primeiros anos, reconhecido por Fidel, a partir do fortalecimento da luta LGBT.
Pouco antes da morte de Fidel, que acontece em novembro de 2016, a Revolução entra em novo período de transição. Raul Castro, velho combatente guerrilheiro, assume a direção, até a eleição de Miguel Díaz-Canel, em abril de 2018, ano em que a Assembleia Nacional aprova novo texto constitucional, onde se reafirma o caráter socialista da Revolução. Em fevereiro agora, o documento passará por referendo popular.
Entre as medidas políticas tomadas pelo governo neste período, há as que utilizam princípios do mercado para dinamizar a economia, prejudicada por mais de cinco décadas de bloqueio ianque. Decisão que alguns consideram deveras arriscada, por receio de se tornar um caminho sem volta.
Não é possível prever até onde vai a resistência do povo cubano num planeta tomado quase que de cabo a rabo pela lógica desumanizante do “só vale o que se tem”. Contudo, a massiva participação popular presente em todo o processo constituinte, mostra que o que está mesmo difícil de voltar é o capitalismo.
O novo presidente, Díaz-Canel, de 58 anos de idade, nasceu e se formou numa Cuba bem diferente daquela da época em que os cassinos e as empresas dos Estados Unidos é que mandavam, quando o país era chamado de “prostíbulo do caribe”.

O ser humano como óbvio

Frei Betto nos fornece um bom retrato da realidade ao afirmar que, para os ricos do mundo, Cuba é um inferno; para a classe média, um purgatório; mas, para a maioria da população, sobrevivendo em meio a tanta miséria, a cidadania cubana é um paraíso invejável.
Não é preciso ir muito longe para se ter uma noção do que diz o dominicano. Basta enxergar a cor negra da pele dos inúmeros médicos e médicas que vieram de lá trabalhar no Brasil, algo tão difícil de se ver em nossa elitização branca excludente. Como diz José Martí, precursor da soberania popular na ilha: “A melhor maneira de dizer é fazer.”
O que faz um pequeno país latino-americano, situado tão perto do maior império de todos os tempos, cercado de água e de agressões terroristas por todos os lados, sendo rota frequente de furacões, ter um dos melhores e mais universal sistema público de saúde do mundo, uma das melhores educações, sem analfabetismo, com índice de mortalidade infantil comparativamente tão baixo? O que faz esse povo ser tão solidário? Em 2010, no terremoto que vitimou centenas de milhares de vidas no Haiti, enquanto os Estados Unidos se preocupavam em enviar soldados, Cuba chegou primeiro com sua delegação de médicos. Por que? O que faz um país relativamente pobre não ter fome nem crianças dormindo nas ruas? Será um milagre? Países da África se libertaram da dominação colonial com o apoio irrestrito e desinteressado de uma Cuba que enfrentava invasões mercenárias contra seu próprio território. Como se preocupar assim com os outros, quando sua própria casa enfrenta problemas tão sérios? Como um povo consegue priorizar a liberdade diante de uma existência tão ameaçada? De onde vem essa fé? Quantas mães empobrecidas, espalhadas pelo mundo, puderam segurar seus filhos nos braços graças às mãos da medicina missionária cubana? Quanta esperança foi parida na América Latina, ensanguentada por golpes de Estado e ditaduras, por efeito desse testemunho de amor?
Em Cuba, a prioridade é o ser humano. Não acredita? Vai lá, ou procura no google. Quando a humanidade precisa ser convencida do óbvio, é sinal que as coisas não andam boas.

No desembarque do Granma, em meio ao barulho ensurdecedor de voos rasantes, bombas e rajadas de metralhadoras; diante de companheiros que tombavam mortos; na luta contra forças armadas imensamente mais poderosas; um grito de rebeldia irrompe o impossível: “Aqui ninguém se rende!” E de lá para cá, o gigante Golias nunca mais teve sossego.

_Por Thales Emmanuel, militante da Organização Popular – OPA.
Originalmente publicado em Informativo Redentorista.